Nossa Senhora Aparecida em Balugães

Primeira Aparição Mariana em Portugal

Nossa Senhora Aparecida em Balugães

Primeira Aparição Mariana em Portugal

A freguesia de Balugães, situada em pleno coração do Minho a norte do concelho de Barcelos e no limite dos concelhos de Ponte de Lima e de Viana do Castelo, é banhada pelo Rio Neiva e oferece aos seus visitantes belíssimas paisagens de verdura paradisíaca. Na encosta do Monte Crasto ou Carmona, encontramos o Santuário de Nossa Senhora Aparecida, local encantador pela sua história e pela deslumbrante beleza. Reza a história que, no ano de 1702, Nossa Senhora apareceu a um jovem pastor, de nome João Alves, surdo-mudo de nascença, e lhe pediu para que o seu pai, que era pedreiro de profissão, nesse mesmo local lhe erigisse uma Ermida. O pai do João “mudo”, com muito espanto por ver pela primeira vez o filho a falar, não resistiu e concretizou o seu pedido construindo uma pequena Ermida. A fama do jovem mudo que miraculosamente começou a falar constou por toda a parte e, devido à grande afluência de pessoas, tornou-se necessário ampliá-la construindo-se a atual Capela da Aparição. Mais tarde, para acolher o elevado número de devotos que aí passaram a rumar, foi também construído um Templo de beleza encantadora. Todos os anos, nos dias 14 e 15 de agosto, muitas dezenas de milhares de peregrinos, de forma organizada, de mais de 30 freguesias limítrofes e de vários pontos do país, aqui se deslocam em espírito de oração. O Santuário de Nossa Senhora Aparecida em Balugães, local da primeira aparição Mariana em Portugal é, por excelência, um lugar de oração.

História da Aparição

"Era, numa tarde cálida de Agosto de 1702, andava um pequeno pastor, de nome João Alves, a guardar, como de costume, o seu rebanho, no monte de Castro de Balugães, a três léguas ao norte de Barcelos; de súbito, se desencadeou uma trovoada medonha; o pequeno, entrando-se de medo, sem poder reunir o espavorido rebanho, viu-se compelido a procurar abrigo no desvão duma lapa, no lugar em que o surpreendera a tempestade. A emergir de um envoltório de luz suave, apareceu-lhe a Senhora, que lhe perguntou a razão do seu espanto; e ele, que nascera mudo, desprendendo-se-lhe a fala, responde-lhe que chora de susto. Anima-o a Virgem, e diz-lhe que vá prevenir o pai (este era pedreiro) que era seu desejo lhe construísse ali uma ermida. Correu a criança a comunicar as ordens recebidas; mas o pai não lhe deu crédito, nem, ao menos, inquiriu do filho a razão daquela estranha mudança, pois via-o agora a falar. Volta no dia seguinte ao monte o pastorinho, que desta vez chorava de fome; apareceu-lhe de novo a Senhora a reiterar o pedido; a fim de o alentar e de reduzir a incredulidade daquele pai insensível, adverte que vai mudar em pedaços de pão alvíssimo as migalhas, quase esgotadas, do pão negro do alforge do esfomeado zagal; da mesma sorte, deste pão de milagre, o forno vazio da sua casa o pai encontraria repleto a mais não caber. E o duplo milagre deu-se."

Horários das celebrações

Domingos e dias Santos: 10:00h - Eucaristia

Sábados, Eucaristia Vespertina: Horário de Verão – 20 horas | Horário de Inverno – 19 horas

Peregrinação anual

Dia 6 a 13 de agosto: - Novena preparatória

  • 19:00h - Recitação do Terço
  • 19:30h - Eucaristia
  • Atendimento das Confissões - das 19:00h até às 20:00h
  • Dia 14 de agosto:

  • 18:00h - Eucaristia seguida de Procissão Eucarística
  • 22:00h - Terço meditado seguido de Procissão de Velas
  • 23:00h - Eucaristia da Vigília da Assunção de Nossa Senhora
  • Atendimento das Confissões - das 18:00h até às 19:30h e das 21:00h às 23:30h
  • Dia 15 de agosto:

  • 02:00h - Hora de Maria
  • 03:00h - Exposição do Santíssimo Sacramento
  • 07:00h - Eucaristia
  • 09:00h - Eucaristia
  • 09:45h - Início da Peregrinação
  • 11:00h - Eucaristia Solene
  • 18:00h - Recitação do Terço e exposição do Santíssimo Sacramento
  • Atendimento das Confissões - das 08:00h até às 10:30h